Bendito sejas, coração amigo,
  Buscando construir e elevar para o bem
  Sem destacar a treva
  Nem ferir a ninguém.

  Deus te guarde na lei do auxílio que nos rege
  Sempre que te dediques a expressar-te,
  À Excelsa Providência determina
  Que a bênção do socorro esteja em toda parte.

  Quem de nós, aprendizes do progresso,
  Estará esquecendo orgulho, possessão, vaidade, força bruta?
  Sem o amparo de alguém que nos tolere
  E nos minore a luta?

  Não vale maldizer a sombra em torno,
  Basta a fim de arredá-la humilde vela acesa,
  Unir e melhorar, ajudar e servir
  São determinações da natureza.

  Um pântano qualquer pode fazer-se, um dia,
  Campina surpreendente, em fruto e flor,
  Mas não prescindirá de mãos amigas
  Que lhe estendam recurso, auxílio e amor…

  Fita a cachoeira em ápices de força…
  Sem alguém que lhe oferte o controle da usina.
  É grandeza de ação deficitária,
  Alto poder entregue à indisciplina.

  Certo bloco de mármore do monte
  Rolou a flagelar canteiros de verdura,
  Mas um artista a educá-lo, dia a dia,
  Dele fez obra-prima de escultura.

  Pensemos quanto a isso, alma querida,
  Estendendo a esperança, ante a força do bem;
  Quem procura no amor a elevação da vida,
  Não se detém no mal, nem censura a ninguém.

Maria Dolores
Livro Tempo de luz – Chico Xavier por Espíritos diversos