Quantos são, meus caros irmãos, os seres abandonados ao mundo, cuja sobrevivência depende dos cuidados de bons espíritos, encarnados e desencarnados? Não devemos adentrar à questão do merecimento, mas oferecer-lhes o auxílio cristão, o acolhimento, a cura das feridas físicas ou morais. Devemos oferecer-lhes a paz que tanto precisam, tal como fez o nosso Mestre em Sua breve trajetória amorosa na Terra.

Vós todos, irmãos que crescestes no seio de um lar, que dispusestes da afabilidade e doçura de uma família, não imaginais a dor de sentir-se abandonado. Por quão penosa provação passam esses espíritos que merecem de todos nós um olhar redobrado de amorosidade e compaixão. Mas tenhais a certeza de que, esses pequenos sem lar, dormem todas as noites sob a proteção e o amparo de Deus que, com Sua bondade e piedade infinitas, jamais os abandona.

Buscai, em vossos ciclos de atuação, sempre que possível, incluir essas criaturas às práticas de convívio social. Conscientizai-vos de que a vossa ação física poderá levar-lhes conforto, ternura, equilíbrio e amor. Benditos aqueles que abrem suas vidas às crianças abandonadas, cujo caminhar poderá ser transformador mútuo, gerador de refazimento e desenvolvimento. Ofertai-lhes o amor.

Muitas outras atitudes são capazes de atenuar o desamparo dos abandonados infantes: o proporcionar da alimentação, a dedicação voluntária de momentos de convívio por visitação, a busca por soluções políticas e sociais includentes, as preces ao final do dia. Tudo isso são formas de proporcionar-lhes o amor que necessitam.

Meus caros irmãos, são muitas as criaturas em situação de abandono; mas no início e no final da encarnação, essas criaturas apresentam-se em estado de maior vulnerabilidade. Dedicai as vossas vidas a atenuar-lhes a dor do abandono.

O amor que ofereceis retornará ao vosso encontro, trazendo ao vosso coração uma enorme felicidade por conseguirdes auxiliar com o propósito da vida.

Amai-vos uns aos outros e, que o vosso amor traga a transformação à Terra. Deixai que venham os pequeninos.  

Permaneçam na paz de Deus. ”

Um Espírito Amigo.

(Psicografado em 18/4/2018)