Permita que o meu verso aqui registre
A pura candidez de tuas ternuras
Muito embora o sofrer das amarguras
Que o chão da terra impõe se administre!

Por amor a Jesus tu te apagaste
Em meio à ignorância deste mundo
Sorvendo a taça escura do contraste
Num esforço sincero e mais fecundo.

Em vão a sombra espessa te envolveu
Acenando com híbridas quimeras…
Estandarte das novas primaveras
Tua fé não vacilou e nem tremeu

Teu coração se fez em pouso santo
A iluminar os dias de descrença
A enxugar o mais pungente pranto
Dos pequenos do mundo em dor imensa.

A nova era enfim, Jesus de novo!
Trazendo pão e paz, luz e agasalho
Amar e esclarecer a alma do povo
É o ideal, teu lema de trabalho!

Por isto eu canto o pobre do meu verso
Sabendo que és tudo, menos cisco…
Para nós, tu serás sempre Francisco
O Cândido Xavier, do Universo.

Poema psicografado por Geraldo Lemos Neto em reunião pública no Centro Espírita Luz, Amor e
Caridade em Belo Horizonte – MG na noite de 03 de abril de 2009.

https://blogdobrunotavares.wordpress.com/2017/04/02/poema-de-auta-de-souza-em-
homenagem-a-chico-xavier/